Where the world comes to study the Bible

Lies dos Anjos (Lessons from the Angels)

Um estudo a respeito dos anjos, tanto dos bons como dos maus, nos fornece vrias lies de como ns devemos e como no devemos viver, tanto negativamente como positivamente. O apstolo Paulo prov um precedente em sua advertncia quando tratando da seleo dos cristos novos para o episcopado em I Timteo 3:6-7.

Lies Negativas

Satans, como o querubim ungido, no s foi criado perfeito, mas ele era extremamente bonito. A sua alta posio e beleza, claro que, eram os produtos da graa e poderes criativos de Deus, no de Satans. No obstante, ele se inchou com orgulho de sua prpria beleza e poder. Ele se esqueceu da sua condio de criatura e quis se tornar como Deus (cf. Ezequiel 28:11-15; Isa. 14:12-13). Por seu orgulho e rebelio, ele foi julgado e expulso da sua alta posio como o querubim ungido e condenado ao lago de fogo, o lugar da sua eventual destruio. Como tal, Satans no s se torna a ilustrao clssica da tentao e tolice do orgulho na criatura, mas o orgulho se torna uma das suas principais armadilhas pelas quais ele busca causar distrbios entre o povo de Deus que to propenso a ser inchado por suas prprias habilidades ou funes ou pelas habilidades e funes de outros as quais so todas ddivas de Deus. Visto que isto j era um real perigo, Paulo advertiu contra a seleo de um novo convertido para uma posio de autoridade, "para que ele no se ensoberbea e caia na mesma condenao em que incorreu o diabo. E ele tem que ter uma boa reputao com os de fora da igreja, de forma que ele no caia em afronta e na armadilha do diabo" (I Tim. 3:6-7).

Satans e os seus anjos cados tambm nos advertem contra a natureza m e os perigos da rebelio em contraste com a submisso e obedincia. Pode ser que no haja nenhum lugar onde isto seja declarado mais claramente que em I Samuel 15:22-23. Aqui a seriedade da desobedincia (vs. 22) que essencialmente definida como rebelio (vs. 23), ressaltada pelas comparaes feitas adivinhao e idolatria. Samuel compara isto a adivinhao (hebreu, qesem, um termo geralmente utilizado para as vrias prticas ocultas ou espiritismo. Para algumas das vrias formas de adivinhao veja Deuteronmio 18:10-11.). A adivinhao assim como a idolatria, demonaca. (veja 1 Cor. 10:19-22). Por trs do oculto e da idolatria est o trabalho de Satans, o rebelde dos rebeldes.

Por ltimo, Satans e os seus anjos maus, os demnios, nos fornecem exemplos de tudo aquilo que mau juntamente com as horrendas conseqüncias do mal. Satans um rebelde, um mentiroso, um assassino, um enganador, um caluniador, um tentador, um distorcedor, e aquele que se opem a tudo aquilo que bom, ntegro, e santo. Como um assassino desde o princpio e o pai das mentiras (Joo 8:44) que tentou Eva no den, ele se torna no final das contas, o pai de tudo aquilo que mau.

claro que, isto no isenta o homem da sua responsabilidade escolher o que bom nem ns podemos culpar Satans por nosso prprio pecado, entretanto ele est sempre rondando a fim de provocar o pecado e enganar e nos tentar. Embora Satans constantemente nos tente, nossa tentao para pecar origina-se de nossas prprias luxrias que empreendem guerra em nossas almas (Tiago. 1:14; 1 Pedro 2:11; Efsios 2:3).

Lies Positivas

As inmeras referncias aos santos anjos de Deus na Bblia so principalmente registros da suas vrias atividades, mas duas coisas se destacam rapidamente. Eles constantemente so vistos nas atividades de louvor e adorao a Deus e em humilde servio, totalmente submissos vontade de Deus. Se estes seres celestiais, com toda sua fora, santidade, e conhecimento de Deus esto to comprometidos, eles no deveriam ser uma motivao e um exemplo para ns?

Foi depois que Isaas viu os serafins santos em adorao e humildade (sugerido pela cobertura dos ps deles) exaltando o Senhor, que ele viu ento e confessou o seu prprio pecado e se tornou um servo disposto. Foi ento, em resposta pergunta de Deus "A quem eu enviarei? " que o profeta disse, "Aqui estou, envia-me" (veja Isaas 6:1-8). Seguindo as boas notcias do nascimento do Messias, a experincia de ver a Jesus em Belm, e ouvindo as hostes divinas de anjos que adoravam a Deus, foram os pastores que, seguindo o exemplo dos anjos, voltaram glorificando e louvando a Deus por tudo aquilo que eles tinham visto e ouvido, como lhes havia sido dito (Lucas 2:20).

Uma conscincia da realidade dos inmeros seres angelicais um benefcio derivado do bem em oposio do mal - s se obtm pela meditao nas Escrituras que registram estas verdades, e atravs da orao.46


46 Chafer, p. 27.

 

Related Topics: Angelology