Where the world comes to study the Bible

A Ira De Deus

Introdução

Cerca de 400 motoqueiros se reuniram recentemente para homenagear o “Grandpa Bob”. Bob Shields, um membro fundador da temível gang de motocicletas conhecida como os Bandidos, morreu de câncer na idade de 78 anos.

Motoqueiros maduros e mais velhos se reuniram para beber cerveja e contar estórias dos bons velhos dias de uso de drogas, assaltos, terrorismo e morte, para não mencionar alguns pecados legais. O que me chamou a atenção foi a maneira masculina na qual eles tentaram lidar com a morte e a realidade do julgamento futuro.

“Dê a eles o inferno, Grandpa”, disse um motoqueiro de barbas cinzentas. “O diabo está na fila do desemprego agora”. Lamont, outro todo tatuado membro da gang, foi mencionado como tendo dito, “Onde ele foi, é para onde nós todos estamos indo um dia. Ele está nos esperando”.

“Eu não quero nenhum pregador falando e delirando sobre mim”, ele escreveu. “Além disso, estou aqui embaixo, tomando uísque e... ao diabo”.1

Não sei se estes motoqueiros acreditam que existe um inferno, porém certamente eles não têm uma visão correta da ira de Deus. A maioria das pessoas não quer pensar na ira de Deus, de forma alguma, preferindo pensar e falar do amor de Deus.

Aqueles que acreditam que Deus é um Deus de ira assim como um Deus de amor preferem pensar na Sua ira no tempo passado. Muitos parecem acreditar que a ira de Deus é uma verdade do Velho Testamento e que com a vinda de Cristo, estamos agora seguros para pensar somente em termos do amor de Deus. Este é um pensamento errado sobre Deus, como observa A. W. Pink:

É triste achar tantos Cristãos professos que parecem achar a ira de Deus como algo para o qual eles precisam fazer uma desculpa, ou ao menos eles gostariam que não houvesse tal coisa.

Enquanto alguns não iriam tão longe como admitir abertamente que eles consideram uma mancha no caráter Divino, eles estão longe de considerá-la com satisfação; eles gostam de não pensar sobre ela, e eles raramente a ouvem mencionada sem um resentimento secreto crescendo em seus corações contra ela.

Mesmo com aqueles que são mais sóbrios no seu julgamento, não poucos parecem imaginar que existe uma severidade a cerca da ira Divina a qual é muito terrível para formar um tema para contemplação proveitosa. Outros têm a ilusão que a ira de Deus não é consistente com Sua bondade, e assim procuram tirá-la dos seus pensamentos.

Sim, há muitos que fogem de uma visão da ira de Deus embora eles sejam chamados para olhar sobre uma mancha no caráter Divino, ou algum borrão sobre o governo Divino. Porém o que dizem as Escrituras?

Quando nos voltamos para elas achamos que Deus não fez nenhuma tentativa de esconder o fato de Sua ira. Ele não está envergonhado de fazer conhecer que a vingança e a fúria pertencem a Ele.2

A ira de Deus não é apenas ensinada na Bíblia, é uma proeminente verdade nas Escrituras como A. W. Pink chama a atenção no seu livro:

Um estudo da concordância mostra que há mais referências nas Escrituras sobre a raiva, fúria e ira de Deus, do que há para Seu amor e ternura.3

A ira de Deus é um atributo de Deus tanto quanto uma parte de Deus como qualquer outro atributo, um atributo sem o qual Deus seria menos que Deus:

Agora a ira de Deus é tanto uma perfeição divina como é Sua fidelidade, poder e misericórdia. Deve ser assim, pois não há nenhuma mazela que seja nenhum mínimo defeito no caráter de Deus; enquanto haveria se a “ira” estivesse ausente Dele.4

Se vamos discutir a ira de Deus, devemos primeiro defini-la. Pink, um dos estudiosos dos atributos de Deus, define a ira de Deus desta forma:

A ira de Deus é Sua eterna repulsa de toda injustiça. É o desprazer e a indignação da equidade Divina contra o mal.

É a santidade de Deus comovida em atividade contra o pecado. É a causa daquela sentença a qual Ele passa contra os maldosos.

Deus está bravo contra o pecado porque é uma rebelião contra Sua autoridade, um erro cometido à Sua soberania inviolável.

Rebeldes contra o governo de Deus deveriam ser cientes de que Deus é o Senhor.

Eles deveriam saber e sentir quão grande é aquela Majestade a qual eles desprezam, e quão terrível é aquela ameaçadora ira a qual eles tão pouco se lembram.

Não que a ira de Deus seja uma retaliação maligna e maliciosa, infligindo prejuízo por próprio interesse, ou em retorno por um dano recebido. Não; enquanto Deus irá justificar Seu domínio como Senhor do universo, Ele não será vingativo.5

J. I. Packer nos mostra no dicionário a definição de ira:

“Ira” é uma antiga palavra definida no meu dicionário como “profunda, intensa raiva e indignação”. “Ira” é definida como “comoção de um desprazer ressentido e forte antagonismo, pelo sentido de dano ou insulto”; “indignação” como “justa raiva causada pela injustiça”. Isto é ira. E ira, a Bíblia nos diz, é um atributo de Deus.6

Talvez uma definição mais concisa seja suficiente para o propósito do nosso estudo:

Ira divina é a justa raiva e punição provocada pelo pecado.

A Ira de Deus no Velho Testamento

O Velho Testamento não somente fala da ira de Deus como um dos seus atributos como fala de Sua ira como uma parte da glória de Deus:

18 - Então ele disse: Rogo-te que me mostres a tua glória. 19 - Porém ele disse: Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti, e proclamarei o nome do SENHOR diante de ti; e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e me compadecerei de quem eu me compadecer. 20 - E disse mais: Não poderás ver a minha face, porquanto homem nenhum verá a minha face, e viverá. 21 - Disse mais o SENHOR: Eis aqui um lugar junto a mim; aqui te porás sobre a penha. 22 - E acontecerá que, quando a minha glória passar, por-te-ei numa fenda da penha, e te cobrirei com a minha mão, até que eu haja passado. 23 - E, havendo eu tirado a minha mão, me verás pelas costas; mas a minha face não se verá. 1 - ENTÃO disse o SENHOR a Moisés: Lavra duas tábuas de pedra, como as primeiras; e eu escreverei nas tábuas as mesmas palavras que estavam nas primeiras tábuas, que tu quebraste. 2 - E prepara-te para amanhã, para que subas pela manhã ao monte Sinai, e ali te põe diante de mim no cume do monte. 3 - E ninguém suba contigo, e também ninguém apareça em todo o monte; nem ovelhas nem bois se apascentem defronte do monte. 4 - Então Moisés lavrou duas tábuas de pedra, como as primeiras; e levantando-se pela manhã de madrugada, subiu ao monte Sinai, como o SENHOR lhe tinha ordenado; e levou as duas tábuas de pedra em suas mãos. 5 - E o SENHOR desceu numa nuvem e se pôs ali junto a ele; e ele proclamou o nome do SENHOR. 6 - Passando, pois, o SENHOR perante ele, clamou: O SENHOR, o SENHOR Deus, misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade; 7 - Que guarda a beneficência em milhares; que perdoa a iniquidade, e a transgressão e o pecado; que ao culpado não tem por inocente; que visita a iniquidade dos pais sobre os filhos e sobre os filhos dos filhos até à terceira e quarta geração. (Êxodo 33:18-34:7)

A ira de Deus não é um constrangimento para Ele. Ele nunca precisa ficar envergonhado, como os homens, por perder a calma. A ira de Deus está inseparavelmente ligada com Sua glória. Deus traz glória para Si mesmo quando Ele exerce a Sua ira.

A ira de Deus é provocada quando os homens se rebelam contra a Sua Palavra. Após Deus tirar os Israelitas do Egito, Ele lhes deu Suas leis para guiar e governar sua conduta assim eles poderiam ser um povo santo no meio dos quais Ele poderia morar.

Em Deuteronômio 28:1-14, Deus descreve as bênçãos que resultariam da obediência ao pacto que Ele fez com eles no Monte Sinai.

Os versos 15-68 mostram uma descrição muito mais extensa e gráfica do Seu julgamento como uma consequência de quebrar o seu pacto. No contexto de Deuteronômio 28, está claro que Israel não manterá o Seu pacto e que eles seriam julgados.

Deus não tolerará o pecado entre o Seu povo não mais do que Ele o tolerará em outros. Os Israelitas estavam destinados a beber profundamente do copo da ira de Deus.

Várias ocasiões podem ser vistas no Velho Testamento quando a ira de Deus é demonstrada. Em Números 16, a ira de Deus é derramada em Coré, Datã, Abirão e em 250 outros os quais se rebelaram contra Moisés como líder indicado por Deus (versículos 1-3).

Quando chamados para aparecerem, Datã e Abirão se recusaram e suas palavras indicam que sua rebelião foi tanto contra Deus quanto foi contra Moisés:

12 - E Moisés mandou chamar a Datã e a Abirão, filhos de Eliabe; porém eles disseram: Não subiremos; 13 - Porventura pouco é que nos fizeste subir de uma terra que mana leite e mel, para nos matares neste deserto, senão que também queres fazer-te príncipe sobre nós? 14 - Nem tampouco nos trouxeste a uma terra que mana leite e mel, nem nos deste campo e vinhas em herança; porventura arrancarás os olhos a estes homens? Não subiremos. (Números 16:12-14)

Deus prometeu levar os Israelitas do seu cativeiro no Egito para uma terra que mana “leite e mel” (Êxodo 13:5; veja também Números 13:27).

Estes rebeldes viam o Egito, o lugar do seu cativeiro primitivo, como a terra de “leite e mel” e a terra prometida como um ermo estéril e lugar de cativeiro.

Eles também rejeitaram a liderança de Moisés e propuseram uma forma mais democrática de governo. Deus pareceu pronto para destruir a nação inteira (Números 16:20-21), porém Moisés e Aarão conheciam Deus melhor,então, eles pediram a Deus para não derramar Sua ira contra todos, porém somente contra aqueles que eram os culpados desta rebelião (versículo 22).

Moisés então declarou um meio pelo qual todos saberiam quem Deus apontou para liderar o Seu povo:

28 - Então disse Moisés: Nisto conhecereis que o SENHOR me enviou a fazer todos estes feitos, que de meu coração não procedem. 29 - Se estes morrerem como morrem todos os homens, e se forem visitados como são visitados todos os homens, então o SENHOR não me enviou. 30 - Mas, se o SENHOR criar alguma coisa nova, e a terra abrir a sua boca e os tragar com tudo o que é seu, e vivos descerem ao abismo, então conhecereis que estes homens irritaram ao SENHOR. 31 - E aconteceu que, acabando ele de falar todas estas palavras, a terra que estava debaixo deles se fendeu. 32 - E a terra abriu a sua boca, e os tragou com as suas casas, como também a todos os homens que pertenciam a Coré, e a todos os seus bens. 33 - E eles e tudo o que era seu desceram vivos ao abismo, e a terra os cobriu, e pereceram do meio da congregação. 34 - E todo o Israel, que estava ao redor deles, fugiu ao clamor deles; porque diziam: Para que não nos trague a terra também a nós. 35 - Então saiu fogo do SENHOR, e consumiu os duzentos e cinquenta homens que ofereciam o incenso. (Números 16:28-35)

Coré, Datã, Abirão e todos aqueles que os seguiram primeiro foram queimados até a morte e então tiveram um enterro ignóbil numa forma que nunca tinha acontecido antes na história – a terra se abriu, os engoliu e então se fechou sobre eles.

Deus desta forma tornou claro que Moisés e Aarão eram os seus líderes indicados, e ao mesmo tempo demonstrou Sua ira justa sobre aqueles que se rebelaram contra Ele e os líderes que Ele indicara.

Nos tempos do Velho Testamento, Deus não somente demonstrou Sua ira contra os Israelitas rebeldes, Ele também demonstrou Sua ira contra os pagões ímpios.Ele destruiu a terra habitada por meio do dilúvio (Gênesis 6-9).

Ele também destruiu as cidades ímpias de Sodoma e Gomorra (Gênesis 19). E após o êxodo, Ele usou a nação de Israel para destruir os Cananeus ímpios pelos seus pecados, assim como Ele indicara anteriormente a Abraão:

12 - E pondo-se o sol, um profundo sono caiu sobre Abrão; e eis que grande espanto e grande escuridão caíram sobre ele. 13 - Então disse a Abrão: Sabes, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos, 14 - Mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza. 15 - E tu irás a teus pais em paz; em boa velhice serás sepultado. 16 - E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia. (Gênesis 15:12-16)

1 - QUANDO o SENHOR teu Deus te houver introduzido na terra, à qual vais para possuí-la, e tiver lançado fora muitas nações de diante de ti, os heteus, e os girgaseus, e os amorreus, e os cananeus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus, sete nações mais numerosas e mais poderosas do que tu; 2 - E o SENHOR teu Deus as tiver dado diante de ti, para feri-las, totalmente as destruirás; não farás com elas aliança, nem terás piedade delas; 3 - Nem te aparentarás com elas; não darás tuas filhas a seus filhos, e não tomarás suas filhas para teus filhos; 4 - Pois fariam desviar teus filhos de mim, para que servissem a outros deuses; e a ira do SENHOR se acenderia contra vós, e depressa vos consumiria. 5 - Porém assim lhes fareis: Derrubareis os seus altares, quebrareis as suas estátuas; e cortareis os seus bosques, e queimareis a fogo as suas imagens de escultura. 16 - Pois consumirás a todos os povos que te der o SENHOR teu Deus; os teus olhos não os poupará; e não servirás a seus deuses, pois isto te seria por laço. (Deuteronômio 7:1-5, 16; veja também 20:16-18 )

Deus indicou a Abraão que seus descendentes seriam perseguidos no Egito por 400 anos (embora Deus não tenha nomeado o lugar), e então Ele os traria de volta para possuir a terra.

A razão pela demora ao menos em parte foi para permitir que a iniquidade dos Amoritas se completasse. Os Israelitas eram para serem os instrumentos da ira de Deus em relação a estes Cananitas. Era para eles mostrarem nenhuma misericórdia.

Eles não deveriam permitir que nenhum Cananita sobrevivesse. Isto era para o próprio bem de Israel. Se fossem permitidos viver, os Cananitas certamente iriam se casar com os Israelitas e também ensiná-los a pecar, duplicando os muitos pecados para os quais Deus estava derramando da Sua ira sobre eles.

Frequentemente no Velho Testamento Israel sofreu a ira de Deus assim como os Gentios. Porém existe um número de textos no Velho Testamento os quais falam de uma futura ira maior do que aquela vista antes:

6 - Clamai, pois, o dia do SENHOR está perto; vem do Todo-Poderoso como assolação. 7 - Portanto, todas as mãos se debilitarão, e o coração de todos os homens se desanimará. 8 - E assombrar-se-ão, e apoderar-se-ão deles dores e ais, e se angustiarão, como a mulher com dores de parto; cada um se espantará do seu próximo; os seus rostos serão rostos flamejantes. 9 - Eis que vem o dia do SENHOR, horrendo, com furor e ira ardente, para pôr a terra em assolação, e dela destruir os pecadores. 10 - Porque as estrelas dos céus e as suas constelações não darão a sua luz; o sol se escurecerá ao nascer, e a lua não resplandecerá com a sua luz. 11 - E visitarei sobre o mundo a maldade, e sobre os ímpios a sua iniquidade; e farei cessar a arrogância dos atrevidos, e abaterei a soberba dos tiranos. 12 - Farei que o homem seja mais precioso do que o ouro puro, e mais raro do que o ouro fino de Ofir. 13 - Por isso farei estremecer os céus; e a terra se moverá do seu lugar, por causa do furor do SENHOR dos Exércitos, e por causa do dia da sua ardente ira. 14 - E cada um será como a corça que foge, e como a ovelha que ninguém recolhe; cada um voltará para o seu povo, e cada um fugirá para a sua terra. 15 - Todo o que for achado será transpassado; e todo o que se unir a ele cairá à espada. 16 - E suas crianças serão despedaçadas perante os seus olhos; as suas casas serão saqueadas, e as suas mulheres violadas. (Isaías 13:6-16)

Se você é um estudante cuidadoso das Escrituras, você deve ter notado que este grande oráculo de sofrimento é pronunciado contra Babilônia sobre a qual o “dia do Senhor” chegará.

Parece então que esta profecia é cumprida nos tempos do Velho Testamento. Babilônia é julgada pelo zelo com o qual esta nação puniu a nação de Israel.

Entretanto este iminente julgamento da Babilônia é porém um prenúncio do grande “dia do Senhor”, o qual está ainda no futuro para a nação de Israel e todas as nações as quais se rebelaram contra Deus.

A Ira de Deus no Novo Testamento

Aqueles desejosos de aceitar que Deus é um Deus de ira estão algumas vezes ansiosos pela ira de Deus ser vista primariamente um assunto do Velho Testamento o qual não seria uma ameaça para aqueles que vivem hoje.

Eles gostam de pensar que com a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, o assunto da ira é principalmente um assunto da história passada. Porém simplesmente não é o caso.

Desde João Batista que foi o último profeta do Velho Testamento, nós quase esperamos ele falar da ira divina. Porém quando João fala da ira por vir, ele o faz em relação à vinda de Cristo.

De acordo com os ensinos de João, a ira divina estava relacionada com a vinda do Messias de duas formas. Primeiro, ele falou do Messias vir para experimentar a ira de Deus. Segundo, João falou do Messias como Aquele que executaria a ira de Deus.

Jesus, o Messias, Que Era para Experimentar a Ira de Deus.

Quando João Batista primeiro viu Jesus e O reconheceu como o Messias, Ele falou Dele como o que iria experimentar a Ira de Deus como o “Cordeiro de Deus”.

29 - No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. (João 1:29)

A expressão, “o Cordeiro de Deus”, ao qual João se referiu tem um antecedente rico no Velho Testamento. Havia o “Cordeiro Pascal”, sacrificado no tempo do êxodo de Israel do Egito (Êxodo 12), o qual foi um protótipo do nosso Senhor (veja I Coríntios 5:7).

Havia os outros cordeiros sacrificiais que eram parte da adoração de Israel (veja Gênesis 22:8; Êxodo 13:13; 29:39-41; 34:20; Levítico 3:7, etc.). Em particular, há o “Cordeiro de Deus” descrito por Isaías o qual é claramente uma referência ao Messias, o Senhor Jesus Cristo:

4 - Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. 5 - Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. 6 - Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos. 7 - Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca. 8 - Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; pela transgressão do meu povo ele foi atingido. 10 - Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão. 11 - Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniquidades deles levará sobre si. (Isaías 53:4-8, 10-11)

Esta profecia fala do sofrimento do Messias como o Portador de pecado, Aquele sobre o qual os pecados do mundo foram depositados e então sobre o qual a ira de Deus é derramada.

Isto nos possibilita compreender o porquê o nosso Senhor estava tão preocupado pelo conhecimento que o tempo do Seu sofrimento e morte estavam próximos:

27 - Agora a minha alma está perturbada; e que direi eu? Pai, me salva desta hora; mas para isto vim a esta hora. 28 - Pai glorifica o teu nome. Então veio uma voz do céu que dizia: Já o tenho glorificado, e outra vez o glorificarei. 29 - Ora, a multidão que ali estava, e que a ouvira, dizia que havia sido um trovão. Outros diziam: Um anjo lhe falou. 30 - Respondeu Jesus, e disse: Não veio esta voz por amor de mim, mas por amor de vós. 31 - Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo. 32 - E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim. 33 - E dizia isto, significando de que morte havia de morrer. (João 12:27-33)

Eis porque o Senhor pôde dizer no Jardim do Getsêmane “A minha alma está cheia de tristeza até a morte...” (Mateus 26:38), e porque Lucas pôde nos dizer que o suor do nosso Senhor na Jardim tornou-se “gotas de sangue” (Lucas 22:44).

Quem mais do que nosso Senhor sabia sobre a ira de Deus contra o pecado e pecadores? Entretanto Ele foi obediente ao desejo do Pai de sofrer aquela ira no lugar dos pecadores.

O maior sofrimento do nosso Senhor veio porque Ele era o objeto da ira do Pai. A grande agonia do nosso Senhor é vista nestas palavras registradas na profecia Messiânica do Salmo 22 e, então, falada pelo nosso Senhor quando pendurado na cruz:

46 – “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Salmo 22:1; Mateus 27:46)

Uma das mais belas verdades da Bíblia para o pecador merecedor da ira de Deus está contida no termo teológico, propiciação. Propiciação fala do cumprimento da santa ira de Deus.

24 - Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. 25 - Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; 26 - Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. (Romanos 3:24-26)

2 - E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo. (I João 2:2)

10 - Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados. (I João 4:10)

Num capítulo intitulado, “O Coração do Evangelho”, J. I. Packer tem isto para dizer sobre a propiciação no contexto do seu comentário nos ensinos de Paulo em Romanos 3 e 5.

A ira de Deus contra nós, ambas presente e por vir, foi satisfeita. Como isto foi realizado? Através da morte de Cristo. “Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho,” (Romanos 5:10)

O “sangue”, isto é, a morte sacrificial de Jesus Cristo aboliu a ira de Deus contra nós, e assegurou que Seu tratamento a nós desde então seria propicio e favorável.

De agora em diante, ao invés de Se mostrar contra nós, Ele Se mostraria em nossa vida e experiência a nosso favor. O que, então, a frase “uma propiciação... pelo Seu sangue” significa?

Significa, no contexto do argumento de Paulo, precisamente este pensamento: que pela Sua morte sacrificial por nossos pecados Cristo pacificou a ira de Deus.7

Propiciação significa que a ira de Deus foi sossegada para todos os que têm confiado em Jesus Cristo. As boas novas do Evangelho é que aqueles que colocaram sua confiança no Senhor Jesus como o “Cordeiro de Deus” não estão mais debaixo da sentença divina da ira:

1 - E VOS vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, 2 - Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência. 3 - Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também. 4 - Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, 5 - Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), 6 - E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus; 7 - Para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus. 8 - Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. 9 - Não vem das obras, para que ninguém se glorie; 10 - Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas. (Efésios 2:1-10)

9 - Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro,10 - E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura. (I Tessalonicenses 1:9-10)

9 - Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo, (I Tessalonicenses 5:9)

Jesus, o Messias, Quem Executa a Ira Divina

João Batista foi o ultimo profeta do Velho Testamento e aquele privilegiado por introduzir Jesus como o Messias de Israel. Quando João falou da vinda do Messias, ele falou da Sua vinda como Aquele que iria executar a ira divina:

5 - Então ia ter com ele Jerusalém, e toda a Judéia, e toda a província adjacente ao Jordão; 6 - E eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados. 7 - E, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus, que vinham ao seu batismo, dizia-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? 8 - Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento; 9 - E não presumais, de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que, mesmo destas pedras, Deus pode suscitar filhos a Abraão. 10 - E também agora está posto o machado à raiz das árvores; toda a árvore, pois, que não produz bom fruto, é cortada e lançada no fogo. 11 - E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo. 12 - Em sua mão tem a pá, e limpará a sua eira, e recolherá no celeiro o seu trigo, e queimará a palha com fogo que nunca se apagará. (Mateus 3:5-12)

Embora o principal propósito da primeira vinda do nosso Senhor não era executar a ira de Deus, Jesus revelou (de Deus) ira em várias ocasiões.

Ele se irou pela forma como os líderes religiosos Judeus comercializaram a adoração no templo, e então Ele limpou o templo dos trocadores de dinheiro tanto no começo (João 2:13-17) como no final (Mateus 21:12-13) do Seu ministério público.

Ele também teve algumas palavras duras de repreensão para os escribas e Fariseus. Os “ais” deste texto são pronunciamentos da ira divina:

29 - Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que edificais os sepulcros dos profetas e adornais os monumentos dos justos, 30 - E dizeis: Se existíssemos no tempo de nossos pais, nunca nos associaríamos com eles para derramar o sangue dos profetas. 31 - Assim, vós mesmos testificais que sois filhos dos que mataram os profetas. 32 - Enchei vós, pois, a medida de vossos pais. 33 - Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno? 34 - Portanto, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas; a uns deles matareis e crucificareis; e a outros deles açoitareis nas vossas sinagogas e os perseguireis de cidade em cidade; 35 - Para que sobre vós caia todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, que matastes entre o santuário e o altar. 36 - Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre esta geração. 37 - Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! 38 - Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta; 39 - Porque eu vos digo que desde agora me não vereis mais, até que digais: Bendito o que vem em nome do Senhor. (Mateus 23:29-39)

Há alguma coisa particularmente significante sobre as palavras de Deus nestes versos a qual eu nunca notara. Os homens não somente se tornaram objetos da ira de Deus por seus próprios pecados ao rejeitar Cristo como Messias, mas eles também se tornaram culpados pelos pecados dos seus predecessores.

Como isto pode ser? Os santos do Velho Testamento olharam adiante para a vinda do Messias através de quem Deus faria a expiação pelo pecado (veja João 8:56). Os profetas do Velho Testamento falaram da vinda do Messias (veja Deuteronômio 18:15; Isaías 52:13-53:12; Malaquias 4).

Os escribas e os Fariseus professaram honrar estes santos do Velho Testamento, e, no entanto eles negaram Aquele no qual os santos puseram sua confiança. Desta forma, aqueles que rejeitaram Cristo como o Messias se dissociaram dos santos do Velho Testamento e se identificaram com aqueles que rejeitaram, perseguiram, e mesmo mataram os santos e os profetas do Velho Testamento.

Ao rejeitar Jesus como Messias, eles lançaram seu voto com aqueles que mataram o justo e, portanto tornaram-se culpados destes pecados passados dos Judeus descrentes assim como os seus próprios. Eis um pensamento que vale ponderar.

Jesus advertiu aqueles que estavam inclinados a julgar na base das aparências externas (Lucas 16:15). Ele acautelou-os não assumir que cada calamidade terrena é uma manifestação da ira divina e que aquele que sofre grandemente deve ser culpado de um grande pecado:

1 - E, NAQUELE mesmo tempo, estavam presentes ali alguns que lhe falavam dos galileus, cujo sangue Pilatos misturara com os seus sacrifícios. 2 - E, respondendo Jesus, disse-lhes: Cuidais vós que esses galileus foram mais pecadores do que todos os galileus, por terem padecido tais coisas? 3 - Não, vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis. 4 - E aqueles dezoito, sobre os quais caiu a torre de Siloé e os matou, cuidais que foram mais culpados do que todos quantos homens habitam em Jerusalém? 5 - Não, vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis. (Lucas 13:1-5)

Desastre não é necessariamente uma manifestação da ira divina (a menos que seja indicada especificamente como tal), assim como prosperidade não deve ser interpretada como prova de piedade.

O sofrimento dos homens nesta vida não é necessariamente proporcionado pelas suas bênçãos ou sofrimentos na eternidade como a história do rico e do Lázaro torna claro (veja Lucas 16:19-31)

Jesus advertiu da ira futura de Deus sobre os pecadores e ensinou que o dia da ira está chegando a qual irá superar qualquer prévia ocorrência do julgamento divino. Será um dia terrível, sem paralelo na história humana:

15 - Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda; 16 - Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes; 17 - E quem estiver sobre o telhado não desça a tirar alguma coisa de sua casa; 18 - E quem estiver no campo não volte atrás a buscar as suas vestes. 19 - Mas ai das grávidas e das que amamentarem naqueles dias! 20 - E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado; 21 - Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver. 22 - E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias. (Mateus 24:15-22)

48 - Mas se aquele mal servo disser no seu coração: O meu senhor tarde virá; 49 - E começar a espancar os seus conservos, e a comer e a beber com os ébrios, 50 - Virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera, e à hora em que ele não sabe, 51 - E separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes. (Mateus 24:48-51; veja também o capítulo 25)

20 - Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei então que é chegada a sua desolação. 21 - Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes; os que estiverem no meio da cidade, saiam; e os que nos campos não entrem nela. 22 - Porque dias de vingança são estes, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas. 23 - Mas ai das grávidas, e das que criarem naqueles dias! porque haverá grande aperto na terra, e ira sobre este povo. 24 - E cairão ao fio da espada, e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem. 25 - E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas. 26 - Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto as virtudes do céu serão abaladas. 27 - E então verão vir o Filho do homem numa nuvem, com poder e grande glória. 28 - Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima. (Lucas 21:20-28)

Esta grande ira futura de Deus é necessária e certa porque os homens rejeitam a provisão que Deus fez para os pecadores na morte sacrificial de Cristo no Calvário:

16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. 17 - Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. 18 - Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. 19 - E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. 20 - Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. 21 - Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus. 36 - Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece. (João 3:16-21, 36).

A solução para o problema do pecado e julgamento é se arrepender, reconhecer o seu pecado e culpa, e confiar no Senhor Jesus que levou a ira de Deus no lugar do pecador.

18 - Mas Deus assim cumpriu o que já dantes pela boca de todos os seus profetas havia anunciado; que o Cristo havia de padecer. 19 - Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do SENHOR, 20 - E envie ele a Jesus Cristo, que já dantes vos foi pregado. 21 - O qual convém que o céu contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio. 22 - Porque Moisés disse aos pais: O Senhor vosso Deus levantará de entre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser. 23 - E acontecerá que toda a alma que não escutar esse profeta será exterminada dentre o povo. (Atos 3:18-23)

Se os homens são para escapar da ira de Deus, eles devem se arrepender e confiar Naquele que levou a ira de Deus no Monte Calvário.

Aqueles que rejeitam a provisão de Deus para perdoar e salvar enfrentam o derramar futuro da ira divina, um julgamento bem maior do que o homem jamais viu antes. É desta ira que o Livro do Apocalipse fala:

12 - E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a lua tornou-se como sangue; 13 - E as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira lança de si os seus figos verdes, abalada por um vento forte. 14 - E o céu retirou-se como um livro que se enrola; e todos os montes e ilhas foram removidos dos seus lugares. 15 - E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo o servo, e todo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; 16 - E diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; 17 - Porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir? (Apocalipse 6:12 -17)

1 - E OUVI, vinda do templo, uma grande voz, que dizia aos sete anjos: Ide, e derramai sobre a terra as sete taças da ira de Deus. 2 - E foi o primeiro, e derramou a sua taça sobre a terra, e fez-se uma chaga má e maligna nos homens que tinham o sinal da besta e que adoravam a sua imagem. 3 - E o segundo anjo derramou a sua taça no mar, que se tornou em sangue como de um morto, e morreu no mar toda a alma vivente. 4 - E o terceiro anjo derramou a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue. 5 - E ouvi o anjo das águas, que dizia: Justo és tu, ó Senhor, que és, e que eras, e santo és, porque julgaste estas coisas. 6 - Visto como derramaram o sangue dos santos e dos profetas, também tu lhes deste o sangue a beber; porque disto são merecedores. 7 - E ouvi outro do altar, que dizia: Na verdade, ó SENHOR Deus Todo-Poderoso, verdadeiros e justos são os teus juízos. 8 - E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo. 9 - E os homens foram abrasados com grandes calores, e blasfemaram o nome de Deus, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória. 10 - E o quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono da besta, e o seu reino se fez tenebroso; e eles mordiam as suas línguas de dor. 11 - E por causa das suas dores, e por causa das suas chagas, blasfemaram do Deus do céu; e não se arrependeram das suas obras. (Apocalipse 16:1-11)

11 - E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. 12 - E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. 13 - E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. 14 - E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. 15 - E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso. 16 - E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores. (Apocalipse 19:11-16)

A ira de Deus para o ímpio é grande. Os homens a merecem. E não há escape para ela. Os homens sabem que o derramar da ira é de Deus, um julgamento deles pelos seus pecados. E mesmo assim nenhuma pessoa se arrepende.

O tempo para arrependimento passou. Aqueles que escolheram rejeitar o sacrifício de Cristo por seus pecados são agora julgados de acordo com suas obras. É um destino terrível, porém um destino que os pecadores merecem amplamente.

A ira divina não é somente um fenômeno do Velho Testamento; é certamente uma profecia bíblica. Os homens são estimulados a prestarem atenção e se arrependerem enquanto ainda há tempo para escapar da ira de Deus pela fé em Cristo.

38 - E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; (Atos 2:38)

30 - Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; 31 - Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos. (Atos 17:30-31)

Conclusão: As Implicações da Ira Divina

A primeira e mais óbvia implicação da doutrina bíblica da ira divina é que os pecadores desesperadamente necessitam se arrepender dos seus pecados e colocar sua confiança em Cristo, que recebeu a ira de Deus pelos seus pecados no Calvário.

Deixe-me fazê-lo mais pessoal. Os seus pecados foram perdoados, ou é a ira de Deus o seu destino? A solução é tão simples como reconhecer o seu pecado e confiar na morte, sepultamento, e ressurreição de Jesus Cristo em seu lugar.

6 - Mas a justiça que é pela fé diz assim: Não digas em teu coração: Quem subirá ao céu? (isto é, a trazer do alto a Cristo.) 7 - Ou: Quem descerá ao abismo? (isto é, a tornar a trazer dentre os mortos a Cristo.) 8 - Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos 9 - A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. 10 - Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. 11 - Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido. (Romanos 10:6-11)

Quando confiamos em Jesus Cristo para salvação, nós temos esta confiança:

9 - Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. (Romanos 5:9)

A doutrina bíblica da ira de Deus deveria motivar os Cristãos a evangelizarem, avisar o perdido da iminente ira de Deus, e estimulá-los a serem salvos.

44 - E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos. 45 - Então abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras. 46 - E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressuscitasse dentre os mortos, 47 - E em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém. (Lucas 24:44-47)

11 - Assim que, sabendo o temor que se deve ao Senhor, persuadimos os homens à fé, mas somos manifestos a Deus; e espero que nas vossas consciências sejamos também manifestos. (II Corintios 5:11)

22 - E apiedai-vos de alguns, usando de discernimento; 23 - E salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne. (Judas 1:22-23)

Quando procurarmos evangelizar, não devemos fazê-lo da maneira de alguns que procuram fazer o evangelho mais atraente e palatável. Não evitemos os aspectos negativos do evangelho.

Proclamemos o evangelho integral, procurando agradar mais a Deus do que os homens (veja II Coríntios 2:14-17; 4:1-2; 5:11; Gálatas 1:6-10).

Sabemos que Ele prometeu “convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (João 16:8-11), e, portanto nossa mensagem deve focalizar no pecado, na justiça e no juízo assim como Paulo fez (veja Atos 17:30-31; 24:25).

A doutrina da ira de Deus é um incentivo para o Cristão viver uma vida santa. Nosso desejo deve ser agradar a Deus (II Coríntios 5:9), e isto será feito quando procurarmos santidade e escapar do pecado:

3 - Mas a prostituição, e toda a impureza ou avareza, nem ainda se nomeie entre vós, como convém a santos; 4 - Nem torpezas, nem parvoíces, nem chocarrices, que não convêm; mas antes, ações de graças. 5 - Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus. 6 - Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. 7 - Portanto, não sejais seus companheiros. (Efésios 5:3-7)

14 - Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; 15 - Mas, como é santo aquele que vos chamou sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; 16 - Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. 17 - E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação, 18 - Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, 19 - Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, (I Pedro 1:14-19)

10 - Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. 11 - Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade, 12 - Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão? 13 - Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça. 14 - Por isso, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz. (II Pedro 3:10-14)

A ira de Deus é uma lembrança da santidade de Deus e uma medida do ódio de Deus pelo pecado. A Ira de Deus é proporcional à injustiça que a provoca. A imensidão da ira de Deus contra o pecado é uma indicação do Seu ódio santo contra o pecado. Nós deveríamos odiá-lo também.

A ira de Deus deve nos fazer desconfortáveis com o pecado. Em adição, nunca deveríamos nos esquecer de que nosso pecado resultou no sofrimento e agonia do nosso Salvador sobre o qual a ira de Deus foi derramada.

Pensar leve do pecado é considerar leve o sofrimento de Cristo. Pecar deliberadamente é chegar perigosamente muito perto de crucificar novamente o Filho de Deus (Hebreus 6:6).

A doutrina da ira de Deus nos ensina a não se irritar com o ímpio. Enquanto eles parecem se dar bem com o mal, eles irão cair sob a ira de Deus:

16 - Quando pensava em entender isto, foi para mim muito doloroso; 17 - Até que entrei no santuário de Deus; então entendi eu o fim deles. 18 - Certamente tu os puseste em lugares escorregadios; tu os lanças em destruição. 19 - Como caem na desolação, quase num momento! Ficam totalmente consumidos de terrores. 20 - Como um sonho, quando se acorda, assim, ó Senhor, quando acordares, desprezarás a aparência deles. (Salmos 73:16-20)

17 - A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens. 18 - Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. 19 - Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. 20 - Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. 21 - Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. (Romanos 12:17-21)

9 - Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia do juízo, para serem castigados; (II Pedro 2:9)

Tomemos a doutrina da ira de Deus seriamente. Nem a negligenciemos nem a omitamos. Lembremo-nos dela como parte da bondade e glória de Deus.

Que a doutrina da ira de Deus possa ser um incentivo ao evangelismo e à proclamação do evangelho puro, o qual inclui o pecado, a justiça e o juízo. Para a glória de Deus e para o nosso próprio bem, possa esta doutrina ser a base para uma vida santa para cada um de nós.

14 - Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; 15 - Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem. 16 - E ninguém seja devasso, ou profano, como Esaú, que por uma refeição vendeu o seu direito de primogenitura. 17 - Porque bem sabeis que, querendo ele ainda depois herdar a bênção, foi rejeitado, porque não achou lugar de arrependimento, ainda que com lágrimas o buscou. 18 - Porque não chegastes ao monte palpável, aceso em fogo, e à escuridão, e às trevas, e à tempestade, 19 - E ao sonido da trombeta, e à voz das palavras, a qual os que a ouviram pediram que se lhes não falasse mais; 20 - Porque não podiam suportar o que se lhes mandava: Se até um animal tocar o monte será apedrejado ou passado com um dardo. 21 - E tão terrível era a visão, que Moisés disse: Estou todo assombrado, e tremendo. 22 - Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; 23 - À universal assembleia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados; 24 - E a Jesus, o Mediador de uma nova aliança, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o de Abel. 25 - Vede que não rejeiteis ao que fala; porque, se não escaparam aqueles que rejeitaram o que na terra os advertia, muito menos nós, se nos desviarmos daquele que é dos céus; 26 - A voz do qual moveu então a terra, mas agora anunciou, dizendo: Ainda uma vez comoverei, não só a terra, senão também o céu. 27 - E esta palavra: Ainda uma vez, mostra a mudança das coisas móveis, como coisas feitas, para que as imóveis permaneçam. 28 - Por isso, tendo recebido um reino que não pode ser abalado, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus agradavelmente, com reverência e piedade; 29 - Porque o nosso Deus é um fogo consumidor. (Hebreus 12:14-29)

Adenda: Características da Ira Divina

(1) A ira Divina é muito diferente da ira do homem (Tiago 1:20)

(2) A ira de Deus está sempre de acordo com os padrões estabelecidos nas Escrituras para a conduta do homem e as advertências de Deus foram dadas para a desobediência (Deuteronômio 29:26-28; 30:15-20; II Samuel 12:9-10; II Reis 22:10-13; 24:2; II Crônicas 19:8-10; 34:18-28; 36:15-16; Jeremias 22:11-12; 44:2-6).

(3) A ira de Deus está de acordo com as ações dos homens. A ira de Deus está sempre em direta proporção com o pecado do homem. (Salmo 28:4; Isaías 59:18; Jeremias 17:10; 21:14; 25:14; Ezequiel 20:44; 24:14; 36:19).

(4) A ira de Deus é lenta e controlada, não repentina e explosiva (Êxodo 34:6; Números 14:18).

(5) A ira de Deus vem após aviso de juízo (veja, por exemplo, os avisos dados aos homens nos dias de Noé (Gênesis 6-9), de Sodoma e Gomorra (Gênesis 19), e através do Velho Testamento pelos profetas).

(6) A ira de Deus é sempre provocada pelo pecado do homem (Deuteronômio 4:25; 9:18; Jeremias 25:6-7; 32:32).

(7) A Ira de Deus não é exercida em pecado, porém em justiça (Romanos 2:5; Tiago 1:19-20)


1 “Bikers bid farewell to Bandido co-founder,” The Dallas Morning News, April 17, 1994, p. 12D.

2 A. W. Pink, The Attributes of God, (Swengel Pa.: Reiner Publications, 1968 [Reprint]), p. 75.

3 Ibid., p. 75.

4 Ibid., p. 75.

5 Ibid., p. 76.

6 J. I. Packer, Knowing God (Downers Grove, Illinois: Inter-Varsity Press, 1973), p. 134.

7 Ibid., p. 165.

Related Topics: Character of God